AVALIAÇÕES ONLINE
Avaliação Física
Avalie sua saúde
BUSCADOR
Academias
CALCULADORAS
Gasto calórico
Ingestão calórica
Outras Calculadoras


 

Cálcio e fitato reduzem risco de cálculos renais em mulheres.
   

Pesquisa feita com 100.000 enfermeiras, com idades de 27 a 44 anos, indica que ingerir alimentos com cálcio e fitato, como frutos secos, legumes e cereais, diminui o risco das mulheres desenvolverem cálculos renais.

O fato de que as pedras têm uma grande presença de cálcio, fez com que muitos médicos indicassem erroneamente dietas com baixos níveis de cálcio. No entanto, a conclusão publicada na última edição da revista Archives of Internal Medicine, foi que aquelas voluntárias que ingeriam mais cálcio diminuíram seu risco de cálculos renais em 27%.

Além disso, a pesquisa comprovou que o consumo de açúcar potencializa o risco de cálculos renais e que as dietas com carne não influenciam em nada no desenvolvimento do mal.

Aumentar o consumo de derivados do leite, de líquidos e fitatos, substância encontrada em grãos integrais e vegetais pode reduzir sensivelmente o risco de cálculos renais nas mulheres.

Os cálculos renais acontecem quando as pessoas não conseguem eliminar algumas substâncias na urina de forma adequada, como o oxalato de cálcio, o ácido úrico, a estruvita e a cistina. As pedras formadas causam a obstrução das vias urinárias ou atravessam para a bexiga, tudo depende do seu tamanho, que pode variar de milímetros a muitos centímetros.

O seu tamanho também influirá no tratamento. As menores podem ser combatidas com ultra-som, já as maiores necessitarão de uma cirurgia.

Atualmente, os cálculos renais atingem uma em cada mil pessoas nos países ricos todos os anos.

Texto: Cassiano Sampaio
Fonte: Redação Saúde em Movimento

Publicado em: 27/04/2004

Compartilhar



Copyright © 2005 - Saúde em Movimento
Permitida a reprodução total ou parcial para uso acadêmico com citação.
Proibida a reprodução total ou parcial para publicação em sites, jornais ou revistas sem prévia consulta.
A informação provida pelo Saúde em Movimento é designada para informar, e não para repor sua relação com profissionais da saúde.


Preparar para Impressão
 
Notícias Relacionadas
Artigo avalia contextos de vulnerabilidade para o HIV entre mulheres brasileiras.
Estudo prega tratamento direcionado a mulheres que buscam se livrar de vícios.
Estudo associa DTM à alteração genética no receptor de estrógeno.
Estudo analisa aplicação de vacina contra HPV após parto.
Metade das mulheres que usa o SUS já sofreu violência.
Mulheres jovens e menos instruídas se arrependem muito mais da laqueadura.
Mais notícias relacionadas






Receba semanalmente as últimas notícias na área da saúde. É de graça.
Nome:


e-mail:





Quando fica deprimido você:
Come
Perde o apetite

Resultado da Votação
Sugira uma pergunta
Resultados antigos


Envie esta reportagem
a um amigo.

Seu nome

Seu e-mail
e-mail do seu amigo


Favor preencher todos os espaços

Respeitamos os princípios HONcode da HON Foundation.
Verifique