AVALIAÇÕES ONLINE
Avaliação Física
Avalie sua saúde
BUSCADOR
Academias
CALCULADORAS
Gasto calórico
Ingestão calórica
Outras Calculadoras
Clique aqui e ajude

 

Cientistas japoneses dizem ter encontrado possível cura para o mal de Alzheimer
   

Cientistas japoneses afirmam ter descoberto uma substância que pode abrir um caminho definitivo para a cura do mal de Alzheimer, doença que causa demência, é sempre fatal, e atinge de forma perturbadora os idosos. Só no Japão, o número de doentes com o mal de Alzheimer chega a um milhão, enquanto nos Estados Unidos são quatro milhões.

Ikuo Nishimoto, professor de farmacologia e neurociência da Universidade Keio, em Tóquio, revelou nesta terça-feira que ele e sua equipe descobriram uma proteína, chamada de "humanina", a qual pode interromper o processo de morte das células cerebrais, que ocorre em pacientes com a doença.

Porém, Nishimoto acrescentou que ainda serão precisos anos de testes para determinar se a humanina, produzida naturalmente pelos genes na parte de trás do cérebro, pode realmente ser usada como uma cura.

"A diferença entre o que descobrimos e o que atualmente é utilizado como tratamento é que a humanina cessa de vez a morte das células do cérebro", comentou Nishimoto em entrevista à Reuters. "Este é o primeiro passo para a cura completa do mal de Alzheimer".

A descoberta será publicada na edição de quinta-feira do jornal "Procedimentos da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América".

Nishimoto ressaltou que sua equipe, que somente realizou experiências em tubos de ensaio até agora, começará em breve a fazer testes em animais e que a Universidade Keio já está dando entrada ao pedido de registro de patente para a humanina.

Recentemente, a promotoria federal dos Estados Unidos acusou um cientista japonês de roubar material genético relacionado ao mal de Alzheimer e entregá-lo a um instituto de pesquisa subsidiado pelo governo do Japão.

"Se a humanina poderá ser usada como cura ou não, só saberemos depois dos resultados dos testes, um processo que pode levar até 15 anos", frisou o cientista.

No entanto, Nishimoto observou que a nova proteína tem correspondido a todas as condições exigidas para se tornar a cura da doença.

" A humanina até o momento tem demonstrado resultados bastante positivos. Por exemplo, quando você interrompe a morte de células cerebrais, isso normalmente acaba causando câncer. Mas a humanina não apresenta estes efeitos colaterais", apontou Nishimoto.

O Japão aparece como um dos países na dianteira da pesquisa sobre o mal de Alzheimer e muitas de suas indústrias farmacêuticas já lançaram grandes campanhas publicitárias para remédios que retardam os primeiros efeitos da doença.

(Com informações da Reuters)

Fonte: CNN
 

Publicado em: 11/02/2002

Compartilhar



Copyright © 2005 - Saúde em Movimento
Permitida a reprodução total ou parcial para uso acadêmico com citação.
Proibida a reprodução total ou parcial para publicação em sites, jornais ou revistas sem prévia consulta.
A informação provida pelo Saúde em Movimento é designada para informar, e não para repor sua relação com profissionais da saúde.


Preparar para Impressão
 
Notícias Relacionadas
Uso de celular pode combater o Alzheimer.
Artigo avalia impacto do Alzheimer na vida dos cuidadores dos pacientes.
Adaptação de escala internacional ajuda a avaliar brasileiros com Alzheimer.
Cantar é terapia complementar para pacientes de Alzheimer em Brasília.
Abordagem da Doença de Alzheimer não deve se restringir à área das ciências médicas.
Maconha pode prevenir Alzheimer.
Mais notícias relacionadas






Receba semanalmente as últimas notícias na área da saúde. É de graça.
Nome:


e-mail:





Quando fica deprimido você:
Come
Perde o apetite

Resultado da Votação
Sugira uma pergunta
Resultados antigos


Envie esta reportagem
a um amigo.

Seu nome

Seu e-mail
e-mail do seu amigo


Favor preencher todos os espaços

Respeitamos os princípios HONcode da HON Foundation.
Verifique