AVALIAÇÕES ONLINE
Avaliação Física
Avalie sua saúde
BUSCADOR
Academias
CALCULADORAS
Gasto calórico
Ingestão calórica
Outras Calculadoras
Clique aqui e ajude

 

Por que uma mulher quando fica grávida sente enjôo?
   

Distúrbio que costuma afetar oito entre dez grávidas, o enjôo pode ter dois componentes: um orgânico e outro psíquico. A mulher sofre desse incômodo até o terceiro mês de gestação devido às altas concentrações de um hormônio chamado gonadotrófico coriônico. "Como esse hormônio é fabricado pela placenta, o enjôo mostra que ela está funcionando bem. Aliás, mulher que tem náusea não aborta", afirmou Luiz Camano, professor-titular da disciplina de Obstetrícia da Universidade Federal de São Paulo, Unifesp.

Uma das ações fundamentais do hormônio gonadotrófico coriônico é manter o corpo lúteo gravídico, estrutura também chamada de corpo amarelo que produz continuamente, da mesma forma que a placenta, progesterona e estrógeno, em plena atividade.O estímulo desses dois hormônios faz desenvolver a glândula mamária, por exemplo.

Mal da alma

Nem sempre o enjôo tem causas "palpáveis". Pode ser decorrente também de um "mal da alma", como se referiu o médico Camano. "A mulher tem uma ambivalência: quer e não quer a gravidez."

"Tanto porque pode sentir medo da nova situação como receio das futuras responsabilidades, disse. "A gestação pode desencadear uma crise emocional. Mas, com o apoio do médico e da família, esse componente psíquico desaparece e as náuseas também."

Enjôos seguidos de vômitos recorrentes fazem a grávida perder muito líquido. E exigem excepcionalmente internação da paciente para que seja feita reidratação. Depois do terceiro mês, os níveis do hormônio gonadotrófico se estabilizam e deixam de provocar náuseas.

Acidez que vem do limão e do kiwi

Alguns alimentos de sabor ácido podem aliviar a sensação desagradável que o enjôo produz. "Gotas ou rodelas de limão, kiwi e laranja na água, kiwi e laranja dão bem-estar", disse a nutricionista Heloísa Vidigal Guarita, que mantém uma empresa de consultoria nutricional em São Paulo.

Como a digestão da grávida já está mais lenta é melhor descartar frutas com casca, que demoram mais tempo para ser processadas pelo intestino. Assim, maçã e pêra, indicadas para combater as náuseas, devem ser consumidas sempre descascadas.

"Embora não contenham nenhuma substância específica que amenize o problema, essas frutas são suaves e ajudam a gestante a ficar bem", disse Guarita.

Várias refeições leves

Biscoitos salgados e sem muita gordura podem ser incorporados à dieta, preferencialmente nos intervalos entre as refeições. "Fracioná-las, aliás, é a melhor conduta," recomendou a nutricionista. "É recomendável comer pouca quantidade a cada três horas."

Como no final da gestação há um aumento no volume do abdômen, que comprime o diafragma e o estômago, a mulher não consegue fazer grandes refeições. Quando não resiste a uma feijoada, por exemplo, pode sofrer de azia. "Excesso de comida ou de gordura, que leva mais tempo para ser metabolizada, induz a esse problema gástrico", disse Guarita.

Apesar de a grávida precisar variar a dieta a fim de manter uma boa nutrição, há alguns alimentos que devem ser evitados justamente para não comprometer o processo digestivo. São eles: carnes gordas creme de leite e manteiga na preparação dos pratos azeite em demasia alho ou pimenta: podem "pesar" no estômago por serem fortes e picantes.

Fonte: CNN

Publicado em: 09/02/2002

Compartilhar



Copyright © 2005 - Saúde em Movimento
Permitida a reprodução total ou parcial para uso acadêmico com citação.
Proibida a reprodução total ou parcial para publicação em sites, jornais ou revistas sem prévia consulta.
A informação provida pelo Saúde em Movimento é designada para informar, e não para repor sua relação com profissionais da saúde.


Preparar para Impressão
 
Notícias Relacionadas
Aborto induzido ocorre em mais de 2% das gestações no Brasil
Desmame precoce favorece sobrepeso em camundongos
Gravidez na adolescência pode aumentar chances de morte do bebê no parto
Preconceitos aumentam mortalidade materna.
Gravidez na adolescência pode aumentar chances de morte da criança durante o parto.
Artigo aponta significativa redução de mortalidade infantil por causas evitáveis
Mais notícias relacionadas






Receba semanalmente as últimas notícias na área da saúde. É de graça.
Nome:


e-mail:





Quando fica deprimido você:
Come
Perde o apetite

Resultado da Votação
Sugira uma pergunta
Resultados antigos


Envie esta reportagem
a um amigo.

Seu nome

Seu e-mail
e-mail do seu amigo


Favor preencher todos os espaços

Respeitamos os princípios HONcode da HON Foundation.
Verifique